O que são e como investir em fundos imobiliários?

By On
O que são e como investir em fundos imobiliários?

Talvez por fazer parte do sonho dos brasileiros, o investimento em imóveis no país sempre se dá pela forma da compra física do produto, isto é, um apartamento, uma sala comercial, um terreno, entre outros. Mas a compra desse bem, para investimentos, não é necessariamente vantajosa, visto que — desde a crise imobiliária — muitos perderam liquidez e sofreram queda nos preços.

Mas, ao contrário do que possa parecer, agora em 208 a tendência é que o mercado volte a ganhar força. Por essa razão, esta é uma boa hora para voltar a aplicar seu dinheiro em imóveis; mas não na compra de um apartamento! Para quem deseja multiplicar o patrimônio, o mais indicado é investir em ativos que sejam relacionados ao setor, como os fundos imobiliários.

Mas, afinal, o que são fundos imobiliários?

De maneira geral, fundos imobiliários são fundos do setor imobiliário. Parece óbvio, não é? Mas, na realidade, são papéis que possuem alguma ligação com o mercado, seja uma representação de uma parte de um imóvel físico — como shoppings e hotéis —, seja um empréstimo para instituições financeiras do setor — como os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) e as Letras de Crédito Imobiliário (LCIs).

Isso significa que é possível investir em FIIs, como também são conhecidos, de duas maneiras: como fundos de tijolos, ao comprar uma parte de um grande empreendimento, ou como fundos de papel, ao “emprestar” capital a instituições financeiras que oferecem crédito imobiliário às pessoas.

Assim como qualquer outro fundo, o FII funciona como um condomínio, em que os moradores (ou cotistas, no linguajar do mercado) se unem para que o valor do aporte seja mais significativo; para a administração desse patrimônio, existe um gestor especializado que, além de acompanhar o mercado e a rentabilidade do fundo, é o responsável pela estratégia de investimento.

A segurança do fundo imobiliário é alta, visto que, principalmente no caso dos fundos de papel, a aplicação do dinheiro é feita em renda fixa, resistente às volatilidades do mercado. O que são e como investir em fundos imobiliários?

São rentáveis?

O retorno dos fundos imobiliários varia de acordo com o tipo de aplicação; além disso, outros fatores também influem diretamente na rentabilidade, como a composição da carteira, o valor das costas e a gestão do profissional administrativo, bem como sua estratégia.

Para os fundos de tijolo, o processo é como um imóvel comum: a localização influencia na rentabilidade; afinal, um apartamento ou uma sala em uma boa região, com alta circulação de pessoas é mais atrativo do que outros imóveis. Para os fundos de papel, no entanto, existem alguns índices que impactam de forma significativa, como o CDI e a Selic.

E a liquidez?

Os FIIs, quando comparamos pela compra de um imóvel, possuem muito mais liquidez. Se voltarmos para a crise imobiliária falada anteriormente, então, a venda de uma casa tornou-se muito difícil; afinal, se a liquidez se trata da facilidade com que um ativo se torna dinheiro, a negociação de imóveis, que pode levar meses, não é uma boa ideia.

Como investir em FII?

Por mais que se tenha a colaboração de um gestor especializado, o primeiro passo, ainda antes da aplicação, é estudar bastante a respeito do setor imobiliário e financeiro. Não é preciso dizer que os acontecimentos que envolvem esse setor impactam diretamente na rentabilidade dos fundos, considerado como renda variável, isto é, as oscilações do mercado certamente farão diferença nos resultados dos investimentos.

Com essas análises, ainda que necessite de um profissional para consultoria, é possível saber quais fundos são os mais indicados para determinados objetivos e perfis, além de descobrir quais são os melhores FIIs do mercados, bem como os mais rentáveis, os mais arriscados, os mais voláteis e assim por diante.

Assim, é possível começar a investir. Nesse momento, é preciso estar atento a dois outros fatores: o valor das cotas e o histórico do gestor que acompanhará o fundo escolhido. É importante saber esses detalhes para ter certeza de que seu patrimônio está sendo bem aplicado, com segurança e uma boa estratégia.

Não se esqueça de que, sobre os FIIs, é cobrado um único tributo, o Imposto de Renda — 20% sobre a rentabilidade obtida sobre a venda, sobre o rendimento é isento. Por outro lado, os riscos podem tornar-se uma preocupação, pois os fundos imobiliários sofrem com três fatores: volatilidade, vacância e inadimplência.

Uma boa dica é estar sempre informado, pois não vai ter erro! No site da própria B3 (antiga BM&FBOVESPA) existem detalhes sobre cada fundo imobiliário e, fora isso, ainda é possível conversar com consultorias especializadas para que sempre se façam as melhores negociações.

Agora que você já sabe tudo sobre fundos imobiliários, o que acha de conhecer mais sobre a Benvenuto?

Entenda mais sobre LCA e LCI

 

 

Deixe uma resposta