Conheça os principais receios das pessoas em relação a fazer um financiamento imobiliário

By On
Conheça os principais receios das pessoas em relação a fazer um financiamento imobiliário

Afinal, muitos sentem que seus empregos não estão seguros e podem perdê-los a qualquer momento impossibilitando o pagamento das parcelas. Não há dúvida que isso tira o sono de muitos brasileiros, independente se são responsáveis por sustentar uma família ou não. 

As novas leis trabalhistas aprovadas recentemente pelo Congresso e sancionadas pelo Presidente da República tiraram muitas proteções que o trabalhador havia conquistado. Entre as principais mudanças, a flexibilização de um valor mais justo pago ao trabalhador demitido.

Listamos abaixo alguns aspectos importantes que você deve ter em mente para fazer um financiamento imobiliário seguro e não dormir pensando que, em caso de algum imprevisto como a perda de um emprego, o pagamento de seu imóvel está correndo riscos.

Conheça os principais receios das pessoas em relação a fazer um financiamento imobiliário

Saldo devedor na compra de imóveis

Ao financiar um imóvel é importante que se saiba do que se trata o saldo devedor. Em termos gerais, ele é o valor restante que deve ser pago pelo contratante e é cobrado por meio de prestações mensais corrigidas a partir do índice de inflação do setor.

Logo, são valores que oscilam de acordo com dois índices específicos: IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) e pelo INCC (Índice Nacional de Custo de Construção).

Os dois são medidos e definidos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), mas tem diferenças importantes: se por um lado o IGP-M é a base de referência quando o imóvel está sendo usado, o INCC diz respeito aos imóveis em construção e, portanto, leva em conta  as oscilações da inflação da construção civil. Consequentemente isso é repassado no valor da parcela que aumenta ou diminui.  

Outro mecanismo que se deve entender para não “passar nervoso” na hora de de fazer um financiamento imobiliário é como funciona o sistema de amortização. São dois tipos específicos: o Sistema de Amortização Constante (SAC) e a Tabela Price.

No caso da SAC a parcela é decrescente e dessa maneira vai caindo de valor da primeira à última prestação. Já a Tabela Price mantém as parcelas no mesmo valor fixo, registrando alterações apenas nas correções do INCC e IGP-M.

Deve-se fazer um bom planejamento financeiro para escolher a melhor opção. Por exemplo: a principal vantagem da Tabela Price é que os valores pagos inicialmente não são tão altos em comparação com as prestações do SAC.

Em contrapartida, você termina o financiamento via SAC pagando muito menos do que pagava no início. Aliás, tenha sempre em mente o seguinte: independente do que você opta, o valor total pago no financiamento é sempre o mesmo e só se alterna caso algumas parcelas forem quitadas com antecedência.

Não tenha medo de mergulhar fundo no financiamento!

A ideia deste texto é mostrar que o financiamento imobiliário é uma boa opção – ao invés de juntar todo o dinheiro e comprar de uma vez – e não é necessário ter medo de investir nisso. É muito mais interessante pagar uma parcela de um imóvel ao invés de viver de aluguel, já que isso se transforma em um bom investimento, não é mesmo?

O contrato permite que, em caso de perda de emprego, você possa alugar o imóvel para ter uma renda. Outra possibilidade em caso de emergência –  que pouca gente sabe que é possível – é repassar o financiamento para um interessado. Ou seja: se você financiar e por qualquer motivo não conseguir arcar com as despesas, venda seu investimento.

É tudo uma questão de analisar antes de assinar. Se julgar necessário, pedir ajuda a uma consultoria de investimentos pode ser de grande valia!

Agora que você já sabe como financiar um imóvel, vamos dar início a procura do apartamento dos sonhos. Acesse o nosso ebook e dê o primeiro passo, escolha o bairro ideal para você e sua família.

Conheça os principais receios das pessoas em relação a fazer um financiamento imobiliário

Deixe uma resposta