Às vezes, dividir o quarto do seu filho é uma escolha, outras vezes é uma necessidade. Afinal, nem toda casa tem um quarto para cada criança.

Mas seja por opção ou necessidade, problemas parecidos podem surgir. Como as crianças devem ficar sozinhas? Elas tem camas diferentes? Eles brigam por brinquedos ou por espaço?

Descobrimos o que um irmão como companheiro de quarto significa para o seu filho e como você pode fazer o compartilhamento de quarto uma grande experiência para todos.

Por que a partilha de um quarto pode ser uma coisa boa

Jessica McMaken, fundador do site de consultoria Razbelly e mãe de três filhos, descobriu que seus dois filhos mais velhos, com idades entre 4 e 7, podiam dividir um quarto.

Dra. Susan Bartell , psicóloga infantil, mãe de três filhos e autor de “The Top 50 Questions Kids Ask”, explica que a razão da maioria das crianças gostar de compartilhar quartos é porque, para muitas crianças, o compartilhamento é sobre a inclusão, em vez de espaço. Os pais esperam que as crianças queiram espaço, mas muitas crianças só querem ficar juntas.

Mas isso não significa que é sempre bom dividir um quarto. As questões abaixo são comuns com as crianças que compartilham quartos.Descubra por que, e como você pode resolvê-los.

1 – A Hora de dormir

Se seus filhos são de diferentes idades, você não deve forçar para que a criança mais velha vá para cama ao mesmo tempo que seu irmão mais novo, diz Bartell. Ela acrescenta que as crianças devem ter a possibilidade de ir para a cama na hora apropriada. “Caso contrário, as crianças mais velhas ficarão ressentidas”.

hora de dormir

A Solução :  Quando seus filhos mais novos dividiam o quarto, o problema de dormir na mesma hora se dava pelo fato de que eles conversavam ou jogavam em vez de dormir. Bartell ficou com essa barreira e começou a colocar as crianças para dormir em horários diferentes. A solução encontrada foi colocar o filho mais jovem para dormir e deixar que o filho mais velho tenha sua própria hora para dormir.

Para as crianças da mesma idade, ou que deveriam ter a mesma hora de dormir, uma sala verdadeiramente escura e o mínimo de distrações poderá ajudar.

2 – O espaço pessoal

Enquanto algumas crianças gostam de dividir o espaço, elas nem sempre querem compartilhar todas as suas coisas. Bartell aponta que quando não há portas para definir o espaço e a posse dos objetos definidas, as coisas podem ficar complicadas.

A solução:

“Cada criança deve ter um pouco de espaço próprio dentro do seu quarto” recomenda Bartell.

cada criança com o seu espaço

Isso pode ser algo pequeno como uma prateleira ou gaveta, ou então algo grande como separação de espaço físico e mesas de cabeceira. Ela acrescenta que uma das maiores áreas privadas é a cama de uma criança.

“Eu recomendaria que seus filhos tenham que pedir permissão para sentar-se na cama de cada um para dar-lhes o controle sobre o seu próprio espaço. É como perguntar antes de entrar em um quarto.”

Mas e se um dos seus filhos é novo demais para entender o pedido de permissão? Nesse caso, Bartell diz que é o trabalho dos pais ajudar a criança a descobrir uma solução: construir prateleiras no alto para o filho mais velho onde o bebê não possa chegar ou oferecer o um outro espaço para a criança guardar seus brinquedos e suas coisas preciosas.

3 – Privacidade

Especialmente quando uma criança compartilha um quarto com um irmão do sexo oposto, a privacidade pode se tornar um problema à medida que envelhecem.

“O ideal é que crianças do sexo oposto fiquem sem dividir quarto até 6 anos de idade, mas nem toda família tem essa opção.” Explica Bartell

menino pequeno e menina pequena ouvindo música no quarto

A Solução: Bartell recomenda o estabelecimento de limites explícitos sobre a privacidade:

“Ter um banheiro para cada, ser flexível com o seu próprio quarto ou até mudar para outro lugar. Eu sei de uma família que utiliza até mesmo de uma cortina no quarto para separar um quarto em dois.”

4 – Conflito

Enquanto os conflitos sobre a divisão de brinquedos e roupas vai acontecer com quaisquer irmãos, a proximidade forçada de um quarto torna esse conflito ainda mais comum. Bartell aponta que muitos dos conflitos giram em torno de invasão ao espaço pessoal de cada criança, mesmo em uma troca ou pegando algo emprestado.

“Outra coisa que muitas vezes eu vejo é uma criança inocente sendo responsabilizada por um quarto bagunçado, e na verdade  o irmão é um bagunceiro.Parece uma coisa pequena, mas as crianças acham isso muito perturbador “.

filhos_bagunça_quarto

A Solução: Defina regras e as consequências para quebrar esses acontecimentos o mais rapidamente possível.

“Diga aos seus filhos de forma explícita quais são as regras e o que vai acontecer se eles quebrarem”, explica Bartell. “As conseqüências dependem de sua casa, mas deve ser algo que é importante para a criança, o que significa que crianças diferentes podem ter consequências diferentes.”

criança_brigando

Por exemplo, Bartell narra a história de uma família com quem ela já trabalhou : Duas meninas compartilhavam uma sala e estabeleceu que elas deviam pedir a permissão da outra antes de tocar em qualquer coisa que não lhes pertencesse. Um dia, uma das meninas precisava de um livro livro da outra quando a outra não estava lá, então ela perguntou a mãe para ter a permissão (e mãe cedeu). Quando a proprietária do livro veio mais tarde, sua mãe explicou porque ela tinha dado a permissão, e o conflito foi evitado.

5 – Transição

Se os seus filhos nunca dividiram um quarto desde a infância, a junção de duas crianças em um quarto pode ser um desafio. McMaken experimentou isso com os seus próprios filhos: Quando seu filho mais novo nasceu, ela mudou sua filha mais velha para o quarto que costumava ser apenas do seu filho.

A solução:

“Fizemos um esforço real para enfatizar que o quarto era deles agora”, lembra McMaken. “Eu percebi que minha filha que se referia ao seu novo quarto como” quarto do Henry, “Mudamos a decoração do quarto apenas com uma nova cor de tinta e uma nova colcha, mas isso fez com que o quarto fosse novo e se tornou um espaço que pertencia a ambos”.

quarto_novo

Se você está juntando as crianças em um quarto porque está reduzindo o tamanho da sua casa, Bartell recomenda que você seja honesto sobre a sua situação: “Vamos nos mudar para uma casa menor, porque nós precisamos e agora nós vamos ter mais dinheiro para outras coisas” e até mesmo utilizar a criatividade da própria criança “Eu quero ter a certeza de que você vai se sentir confortável no seu novo quarto. O que você quer que seja feito no seu novo quarto?”

Se você está mudando para adicionar uma sala a sua casa, Bartell adverte que muitas crianças podem não aceitar a divisão. Nesse caso, você pode poderá utilizar um quarto apenas para os jogos, deixando as camas em um só quarto. Porém:

“Quando ficarem mais velhos, provavelmente em torno da idade de 8 ou 9 anos, eles vão querer se separar. Isso vai acontecer naturalmente.”

Gostou das dicas? Foi útil para você e sua família? Deixe sua experiência nos comentários 🙂

Uma Resposta

Deixe uma resposta

Tags

Sobre o autor

Rafael Milagre

Twitter Facebook Email Website

CEO da Benvenuto. Real Estate company in Brazil. Apaixonado por empreender e buscando revolucionar o mercado imobiliário www.benvenuto.com.br